Midcult

quarta-feira, julho 22, 2009

Under pressure

ou Deus é naja. E nós também.

Curioso. Quando tenho problemas sérios e graves é quando escrevo melhor (comentários do tipo  “mas vc escreve bem?” devem ser endereçados para vapraputaquepariu@gmail.com). Servia como uma luva quando eu tinha um blog diarinho, lá pelos idos de 2001, 2002. Hoje, não tenho mais interesse em me expor. Devo ter ficado medrosa no meio do caminho, receosa das manifestações do tipo “patricinha lobotomizada” que recebia no passado – e que me faziam gargalhar alto. Talvez eu, no alto dos meus 21 anos, fosse mais livre que hoje.

Pensando bem, não deveria ser assim. Deveria continuar com o “foda-se” ligado no turbo.

Já que o tal botão anda meio quebrado e a outra dona deste cafofo, dona Cintia Santiago, também não está nos seus melhores dias, nada melhor que buscar conforto em dois grandes mestres. Curiosamente, os dois eram gays e morreram em consequência da Aids.

O primeiro deles é Freddie Mercury, que não nos deixou só We are the champions, ao contrário do que alguns pensam por aí (na verdade, essas pessoas devem achar que tal música surgiu do imaginário popular). O Queen, banda capitaneada por Mercury (aliás, há algo mais britânico e mais gay que uma banda chamada Queen?), se juntou a David Bowie e arrebatou o mundo com Under Pressure, lançada em 1981 e considerada pelo VH1 uma das melhores músicas dos anos 1980.

Neste ano eu tive a grata surpresa de ver uns rapazes tocando a mesma música aqui em São Paulo (o vídeo não é do show daqui. um vídeo feito por alguém da plateia da apresentação em Sampa – arrepiante – pode ser visto aqui):

Notem que Tom Chaplin, vocalista do Keane, nasceu apenas 2 anos antes do lançamento de Under Pressure. A mãe dele não devia usar a  música como canção de ninar, né? Então, fica óbvia a influência do Queen em bandinhas outrora consideradas indies.

A letra?

Under Pressure – Queen e David Bowie

Mm ba ba de
Um bum ba de
Um bu bu bum da de
Pressure pushing down on me
Pressing down on you no man ask for
Under pressure – that burns a building down
Splits a family in two
Puts people on streets
Um ba ba be
Um ba ba be
De day da
Ee day da – that’s o.k.
It’s the terror of knowing
What this world is about
Watching some good friends
Screaming ‘Let me out’
Pray tomorrow – gets me higher
Pressure on people – people on streets
Day day de mm hm
Da da da ba ba
O.k.
Chippin’ around – kick my brains around the floor
These are the days it never rains but it pours
Ee do ba be
Ee da ba ba ba
Um bo bo
Be lap
People on streets – ee da de da de
People on streets – ee da de da de da de da
It’s the terror of knowing
What this world is about
Watching some good friends
Screaming ‘Let me out’
Pray tomorrow – gets me higher high high
Pressure on people – people on streets
Turned away from it all like a blind man
Sat on a fence but it don’t work
Keep coming up with love
but it’s so slashed and torn
Why – why – why ?
Love love love love love
Insanity laughs under pressure we’re cracking
Can’t we give ourselves one more chance
Why can’t we give love that one more chance
Why can’t we give love give love give love give love
give love give love give love give love give love
‘Cause love’s such an old fashioned word
And love dares you to care for
The people on the edge of the night
And love dares you to change our way of
Caring about ourselves

This is our last dance
This is our last dance
This is ourselves
Under pressure

Under pressure
Pressure

(grifo meu)

O segundo rapaz a nos salvar em momentos como este é ele, sempre ele, Caio Fernando Abreu. Já escrevi tanto sobre o escritor gaúcho aqui neste blog que pareço monotemática. Hum. Pensando bem, sou mesmo.

De todas as obras-primas que ele nos deixou, Deus é naja deve ser a mais conhecida. Nunca leu? Leia. Já leu um milhão de vezes, como eu? Cá vai mais uma:

Deus é naja

Caio Fernando Abreu

Estás desempregado? Teu amor sumiu? Calma: sempre pode pintar uma jamanta na esquina.

Tenho um amigo, cujo nome, por muitas razões, não posso dizer, conhecido como o mais dark. Dark no visual, dark nas emoções, dark nas palavras: darkésimo. Não nos conhecemos há muito tempo, mas imagino que, quando ainda não havia darks, ele já era dark. Do alto de sua darkice futurista, devia olhar com soberano desprezo para aquela extensa legião de paz e amor, trocando flores, vestida de branco e cheia de esperança.

Pode parecer ilógico, mas o mais dark dos meus amigos é também uma das pessoas mais engraçadas que conheço. Rio sem parar do humor dele – humor dark, claro. Outro dia esperávamos um elevador, exaustos no fim da tarde, quando de repente ele revirou os olhos, encostou a cabeça na parede, suspirou bem fundo e soltou essa: -“Ai, meu Deus, minha única esperança é que uma jamanta passe por cima de mim…” –  Descemos o elevador rindo feito hienas.

Devíamos ter ido embora, mas foi num daqueles dias gelados, propícios aos conhaques e às abobrinhas. Tomamos um conhaque no bar. E imaginamos uma história assim: você anda só, cheio de tristeza, desamado, duro, sem fé nem futuro. Aí você liga para o Jamanta Express e pede: -“Por favor, preciso de uma jamanta às 20h15, na esquina da rua tal com tal. O cheque estará no bolso esquerdo da calça”. Às 20h14, na tal esquina (uma ótima esquina é a Franca com Haddock Lobo, que tem aquela descidona) , você olha para esquina de cima. E lá está- maravilha!- parada uma enorme jamanta reluzente, soltando fogo pelas ventas que nem um dragão de história infantil.

O motorista espia pela janela, olha para você e levanta o polegar. Você levanta o polegar: tudo bem. E começa a atravessar a rua. A jamanta arranca a mil, pneus guinchando no asfalto. Pronto: acabou. Um fio de sangue escorrendo pelo queixo, a vítima geme suas últimas palavras: -“Morro feliz. Era tudo que eu queria…”

Dia seguinte, meu amigo dark contou: – “Tive um sonho lindo. Imagina só, uma jamanta toda dourada…” Rimos até ficar com dor na barriga. E eu lembrei dum poema antigo de Drummond. Aquele Consolo na Praia, sabe qual? “Vamos não chores / A infância está perdida/ A mocidade está perdida/ Mas a vida não se perdeu” – ele começa, antes de enumerar as perdas irreparáveis: perdeste o amigo, perdeste o amor, não tens nada além da mágoa e solidão. E quando o desejo da jamanta ameaça invadir o poema – Drummond, o Carlos, pergunta: “Mas, e o humour?” Porque esse talvez seja o único remédio quando ameaça doer demais: invente uma boa abobrinha e ria, feito louco, feito idiota, ria até que o que parece trágico perca o sentido e fique tão ridículo que só sobra mesmo a vontade de dar uma boa gargalhada. Dark, qual o problema?


Deus é naja – descobrimos outro dia.

O mais dark dos meus amigos tem esse poder, esse condão. E isso que ele anda numa fase problemática. Problemas darks, evidentemente. Naja ou não, Deus (ou Diabo?) guarde sua capacidade de rir descontroladamente de tudo. Eu, às vezes, só às vezes, também consigo. Ultimamente, quase não. Porque também me acontece – como pode estar acontecendo a você que quem sabe me lê agora – de achar que tudo isso talvez não tenha a menor graça. Pode ser: Deus é naja, nunca esqueça, baby.

Segure seu humor. Seguro o meu, mesmo dark: vou dormir profundamente e sonhar com uma jamanta. A mil por hora.

(grifo meu)

O conto foi publicado em Pequenas Epifanias, livro esgotadíssimo. Pena.

Filosofia de botequim ou não, me junto aos dois gênios – um da música, outro da literatura. A vida, por si só, já é ruim demais normalmente. Às vezes ela fica pior, como agora. Só há duas soluções: ligar pro Jamanta Express (mas, no meu caso, o cheque no bolso da calça ia ser totalmente sem fundos) ou rir descontroladamente de tudo.Mesmo que a gente esteja Under Pressure. Eu escolho – sempre – a segunda opção.

Nádia Lapa, que tá indo ali consertar o botãozinho

quinta-feira, junho 11, 2009

Separados no nascimento

Filed under: Cinema — Nádia Lapa @ 01:31
Tags: , , , , ,

Estava vendo Pagando bem, que mal tem? , mais um filme do superestimado Seth Rogen. Depois falo sobre o filme, mas o que me deixou encafifada foi um dos atores do filme, o Ricky Mabe.

ricky mabe

Vê se ele não é a cara do Tom Chaplin, vocalista do Keane:

tom chaplin

Melhor: o ator é meio que uma mistura do Tom Chaplin com o Ricky Wilson, vocalista do Kaiser Chiefs:

SNN0303RW_398341a

Sério… A qualquer momento achei que ele ia começar a cantar, durante o filme: If oooooooooonly I don’t bend and breaaaaaak.

Nádia Lapa, ressurgindo das cinzas

domingo, maio 3, 2009

Xerox, Fotocópia e Autenticada

Há milhões de anos, eu li que um pai havia registrado suas filhas com os nomes de Xerox, Fotocópia e Autenticada. Foi numa época pré-internet, quando Santo Google ainda não existia. Então, provavelmente essa história é verdade.

Pois bem. Este foi o nome escolhido para um post fixo “de sábado”, caso eu lembre de escrevê-lo toda semana. É pra falar de covers; pra analisarmos se a xerox acaba ficando mais bonitinha que o original.

Comecemos com a aniversariante do dia, Lily Rose Beatrice Allen. Hoje (dia 2) ela fez 24 anos.  Na curta carreira (primeiro álbum lançado em 2006), a cantora inglesa já fez covers de diversas músicas. 

Uma que gosto nas duas versões e não consigo decidir qual a melhor é Naive, originalmente gravada pelo The Kooks. Luke Pritchard, vocalista da banda inglesa, compôs a canção quando tinha apenas 16 anos. Eles tocarão em São Paulo dia 19 de junho. O show será no Via Funchal e eu estarei lá. 😉

A versão dos meninos:

A versão de Lily:

Continuando com as bandinhas indies, Lily regravou Oh My God em 2006. Os Kaiser Chiefs haviam lançado a música em 2004.

Eu prefiro a versão original…(até pq esses moços me fizeram muito feliz numa noite de novembro passado…)

Pode-se dizer que esta moça conhece seu público. Ela cantou Everybody’s changing, do Keane. Esta OUTRA banda inglesa já me fez bem feliz as well. Por duas vezes, a última bem recentemente. 

(eu não aguento mais essa música, então nem posso opinar sobre qual a mais legal…)

Pois a inglesinha foi buscar inspiração do outro lado do Atlântico. Heart of Glass, do Blondie, foi a escolhida. Por mais que a voz da Lily fique bonitinha na música, não dá pra competir com o lançamento original, de 1979.

E ela fincou mesmo os pés nos EUA. Recentemente fez uma versão de Womanizer, da Britchney (eu sei q tá escrito errado, tá?).  Curti.

Ela também se inspirou num “cantor” americano pra fazer a Nan, you’re a window shopper. Neste caso, não foi um cover. Foi uma espécie de paródia, mesmo. Enquanto o rapper 50 cent (blerght) gravou Window Shopper, que fala de coisas caras, de quão fodão ele é por comprar coisas, Lily fala justamente o contrário. A música da cantora seria sobre a avó, que é pão-dura. A melodia das duas músicas é bem parecida.

Voltando à terra natal, Lily fez covers de duas músicas de compatriotas. A ótima Don’t get me wrong, dos Pretenders (gravada em 1986) 

e Straight to hell, do Clash, originalmente lançada em 1982

Não dá pra escolher qual a melhor das duas, pois uma banda que tem London Calling no currículo não pode nem ser posta à prova…

Vamos ver qual será a nova de Lily Rose. 

Nádia Lapa

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.