Midcult

domingo, maio 24, 2009

David Lynch dirigindo Dirty Dancing?

Filed under: Velharia,videos — Nádia Lapa @ 14:56
Tags: , ,

Indicação da minha amiga Telinha. No You Tube tem mais um monte de vídeos parecidos com esse. Muito bom!

Nádia Lapa

sábado, abril 25, 2009

Ritmo Quente

Outro dia, voltando do almoço, entrei numa Americanas que tem ali na região de Pinheiros. Eu ia comprar uma barra de chocolate. Comecei a pesquisa: Suflair, Laka, Diamante Negro, Hershey’s, Galak, Dirty Dancing… Hã??? Ok, não era uma barra de chocolate, mas o DVD do filme que conquistou o coração de vááááárias garotas da década de 80. Alguém arrependido, digo, arrependida de levar a película por míseros R$9,90 abandonou a coitada no meio dos chocolates.

dirty-dancing-poster042

Este filme foi lançado em 1987, e eu lembro como se fosse hoje: minha amiga tinha um VHS e passávamos o dia assistindo. Eu amava o Patrick Swayze e queria casar com ele quando crescesse. O filme, como todo mundo sabe, conta a história de Baby (Jennifer Grey) e Johnny Castle, o Swayze bonitão.

dirty-dancing092

Os dois se conhecem quando a moça vai passar férias numa espécie de resort onde o moço é instrutor de dança. Castle tem uma parceira, mas, após se envolver com um dos garçons do hotel, ela engravida e deixa o pobre rapaz sem ter com quem dançar. A partir daí é aquela história romanceada à beira do brega. Baby quer substituir a moça, mas tem a desenvoltura de um poste. Então, o filme se desenvolve nessa: o professor tenta ensinar o poste a dançar, criando-se todo um universo de paixão, que é condenado, principalmente, pelo pai de Baby.

Enfim, brega, pegajoso, digno do Troféu Framboesa? Prefiro chamar de Kitsch. Sou totalmente fã desse filme porque ele embalou meus sonhos de pré-adolescente. E digo mais: de muita garota por aí. Estou mentindo?

Mate a saudade com uma seleção de cenas ao som de “She’s Like The Wind”:

Ah, e quem adorava cantar “(I’ve Had) The Time Of My Life” pode reviver o momento clicando abaixo:

Mesmo sendo a década perdida, eu adorava a vida nos anos 80.

Por Cintia Santiago

Blog no WordPress.com.