Midcult

sábado, junho 27, 2009

A prosa poética que vem da África

Na noite do último dia 25, estava eu na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo, desejando enlouquecidamente comprar todos os livros à venda. Em meio aos acontecimentos – a morte de Michael Jackson e a famigerada gripe suína –, esqueci que Mia Couto daria uma palestra naquele lugar sobre seu mais novo livro, Antes de Nascer o Mundo.

O evento aconteceu no teatro Eva Herz, localizado na parte superior da livraria. Dei de cara com a imagem do escritor no telão que exibia a apresentação para as pessoas que ficaram de fora. Imediatamente, lembrei do livro que é o motivo deste post – e que não é o citado acima, e sim O Último Voo do Flamingo.

A história é uma das delícias que tive o prazer de ler na vida. Nascido em Moçambique, António Emílio Leite Couto ganhou o apelido de “Mia” porque, durante a infância, vivia com gatos e se achava um deles. Tudo por causa de sua compleição miúda.

O livro relata a vida de uma vila fictícia chamada Tizangara logo após a guerra civil moçambicana. Tudo corria razoavelmente bem no lugar  – os soldados da Organização das Nações Unidas (ONU) participavam ativamente do processo de paz. Contudo, os “capacetes azuis” – apelido dados aos oficiais por conta do apetrecho característico do uniforme – explodem misteriosamente.

Para tentar esclarecer o enigma, entra em cena o oficial italiano Massimo Risi. À disposição do agente há um intérprete, que passa a ser o narrador dos fatos mais inacreditáveis. As histórias misturam-se num turbilhão de acontecimentos – vivos e mortos, realidade e fantasia… O sobrenatural toma conta do livro.

Mia Couto consegue prender o leitor a partir do momento em que faz soldados explodirem “do nada”. Elabora a prosa poética de nossa língua portuguesa como poucos. No microtabuleiro da obra há quase tudo: um padre e um feiticeiro; a prostituta e a velha-moça, o caráter e a falta dele.

Na realidade, não seria motivo de espanto ler todo este turbilhão de coisas. Gente totalmente estranha num ambiente surreal é algo até corriqueiro hoje em dia. O que chama a atenção neste “balaio de gato” de Mia Couto, entretanto, é o modo como ele constrói os acontecimentos, transformando personagens “malucos” em seres capazes de encantar. O simbolismo, a metáfora e o jeito peculiar da escrita dão ao romance um quê de felicidade e beleza.

Por que o livro se chama “O Último Voo do Flamingo”? Se eu disser, certamente perderá a graça. Somente descobrirá a resposta quem tiver uma alma audaciosa, plena de vontades e com todos os sentidos aguçados. Quer tentar?

Cintia Santiago, que não é fake e estará sempre ao lado de Nádia Lapa. Pro que der e vier.

2 Comentários »

  1. Brigadaaaaaaaaaaa

    Me empresta o livro do Mia? Nunca li. Aliás, vou ler um pouco de Hatoum agora.

    Comentário por Nádia Lapa — sábado, junho 27, 2009 @ 16:01 | Responder

    • Claro. Ele tá só esperando você voltar de Manaus. 🙂

      Comentário por Cintia Santiago — sábado, junho 27, 2009 @ 16:08 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta para Cintia Santiago Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: